Cruz Vermelha Ceará coordena campanha de arrecadação de donativos para socorrer a população gaúcha
Cruz Vermelha Ceará coordena campanha de arrecadação de donativos para socorrer a população gaúcha
Prefeita Patrícia Aguiar inaugura Palácio Quinamuiú e entrega comendas durante a comemoração de 222 anos de emancipação política de Tauá
Prefeita Patrícia Aguiar inaugura Palácio Quinamuiú e entrega comendas durante a comemoração de 222 anos de emancipação política de Tauá
Secretaria de Saúde busca qualificação para campanha do abril Verde
Secretaria de Saúde busca qualificação para campanha do abril Verde
Secretaria da Educação de Icó realiza o I Encontro de Educação Inclusiva
Secretaria da Educação de Icó realiza o I Encontro de Educação Inclusiva
Prefeita de Icó busca parceria com Hospital Infantil de Fortaleza
Prefeita de Icó busca parceria com Hospital Infantil de Fortaleza
João Gomes abre hoje (05) a programação do Festival Quixadá Junino na Praça José de Barros
João Gomes abre hoje (05) a programação do Festival Quixadá Junino na Praça José de Barros
Vereadores de Camocim participam da 12ª Conferência Municipal de Assistência Social
Vereadores de Camocim participam da 12ª Conferência Municipal de Assistência Social
Com Dorgival Dantas, Taty Girl e Waldonys, Quermesse Itajunina promete animar Itapipoca 
Com Dorgival Dantas, Taty Girl e Waldonys, Quermesse Itajunina promete animar Itapipoca 
UVC participa do I Seminário Formativo das Procuradorias da Mulher do Ceará 
UVC participa do I Seminário Formativo das Procuradorias da Mulher do Ceará 
Prefeitura de Pedra Branca entrega certificados do Programa Primeiro Passo e realiza aula inaugural de mais 3 cursos
Prefeitura de Pedra Branca entrega certificados do Programa Primeiro Passo e realiza aula inaugural de mais 3 cursos
previous arrow
next arrow
Cidades Educação Notícias

MPCE orienta instituições e gestores de Arneiroz a reforçar ações para garantir segurança nas escolas

O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), por intermédio das Promotorias de Justiça das Comarcas Vinculadas de Arneiroz, e também de Madalena, instaurou Inquérito Civil (IC) e expediu Recomendação, nessas quinta-feira (13/04) e sexta-feira (14/04), respectivamente, com o objetivo de apurar e melhorar as condições de segurança em instituições de ensino públicas e privadas dos dois municípios. Os procedimentos requerem a verificação das ações desenvolvidas pelos órgãos e entes responsáveis pela educação municipal, a fim de garantir a segurança no ambiente escolar, além de trabalhar a prevenção da violência nesses locais.  

O promotor de Justiça Alan Moitinho Ferraz, respondente pelas duas Promotorias, explicou que não há registros de ameaças às escolas em Arneiroz e Madalena, mas destacou que a violência escolar é um fenômeno multifatorial e crescente no país. O promotor enfatiza que é papel do MP atuar para que as tragédias não ocorram mais, mediante a organização de protocolo de atuação nos casos de tal natureza, bem como reforçando a segurança dos espaços escolares.   

O Inquérito Civil aberto, e direcionado tanto a Arneiroz quanto a Madalena, solicita informações aos órgãos municipais e estaduais de educação, estabelecimentos particulares, incluindo órgãos de segurança pública, a respeito das ações desenvolvidas até o momento, visando oferecer proteção para estudantes, professores e demais integrantes da comunidade escolar.  

A Recomendação, que se destina diretamente à Prefeitura de Madalena e à Secretaria Municipal de Educação, com indicações também aos estabelecimentos de ensino privados e à Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação (Crede 12), tem foco nas seguintes medidas:  

1. Criação de Comitê Interprofissional Municipal Permanente de Segurança Escolar (CIMPSE), sob a presidência da Secretaria Municipal de Educação e composto pelas Secretarias Municipais de Administração e Finanças, de Assistência Social e de Saúde, pela comunidade escolar, e por organismos governamentais e não-governamentais integrantes do sistema de garantias dos direitos da criança e do adolescente;  

2. Adoção de medidas necessárias à implantação das Comissões de Proteção e Prevenção à Violência contra Crianças e Adolescentes, previstas na Lei Estadual 17.253/2020. Se a estrutura escolar já contar com órgão ou comissão que desempenhe a função, deverão ser apresentados os resultados, inclusive numéricos e estatísticos, acerca do êxito da equipe e sistemáticas aplicadas;  

3. Informações se a rede de ensino possui projeto de prevenção e enfrentamento à violência no ambiente escolar, com o envio de cópia do projeto. Em caso negativo, devem ser apresentados os encaminhamentos para a implementação e acompanhamento de projeto que atenda os pressupostos do art. 12 da Lei de Diretrizes e Bases;  

4. Informações sobre quais as medidas de segurança já existentes nas creches e escolas, especificando por unidade, as quais devem contar com, no mínimo, um instrumento de segurança efetivo e operante (vigilantes, câmeras de segurança, porteiros, etc.);  

5. Informações sobre a existência de protocolo municipal de atuação para prevenção e/ou contenção dos casos de violência escolar e atentados contra alunos e professores.  

Para a Polícia Militar, as recomendações são semelhantes, com foco nas medidas de segurança já adotadas nas creches e escolas do Município de Madalena, pedindo o detalhamento das unidades que apresentem maior fragilidade na segurança. Também são pedidos os dados sobre protocolos definidos pela Corporação para atuar na prevenção e/ou contenção dos casos de violência escolar e atentados contra alunos e professores.  

A Recomendação se dirige, por último, ao Conselho Municipal de Educação de Madalena e requer, com apresentação de relatório detalhado, quais as medidas adotadas para promover a mobilização do Poder Executivo Municipal quanto a implementar projeto de prevenção e enfrentamento à violência no ambiente escolar.  

O promotor de Justiça Alan Moitinho Ferraz salienta, ainda, que os profissionais de Psicologia e de Assistência Social precisam ser incluídos nas equipes das instituições de ensino, o que já é determinado pela Lei Federal nº 13.935/2019. Ele defende que todo o trabalho deve ser pensado para contribuir com as estratégias desenvolvidas na escola, promovendo uma cultura de paz e agregando práticas pedagógicas mais ativas. O MPCE dá o prazo de 15 dias úteis, devido à urgência que o caso requer, para que as instituições e entidades citadas apresentem as providências adotadas. Caso as solicitações não sejam atendidas, o órgão ministerial poderá tomar as medidas administrativas e legais necessárias, a fim de assegurar a sua implementação.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

você pode gostar