Defesa do Consumidor aprova elaboração de TAC com empresas de TV a cabo

A deliberação aconteceu ao final da audiência proposta pelo deputado Odilon Aguiar (Pros), presidente da Comissão, para discutir os problemas e grande número de reclamações de consumidores sobre os serviços prestados  e dificuldades atendimento de demandas por parte das prestadoras de serviços de TV por assinatura.

O parlamentar abriu a reunião explicando que só no estado do Ceará há cerca de 425 mil consumidores de serviços de TV por assinatura. E segundo ele, o número de reclamações nos quatro primeiros meses deste ano, só no Procon da Assembleia, já chega perto do número registrado durante todo o ano passado. As queixas  vão desde cobrança indevida, falta de clareza dos contratos, dificuldades de atendimento nas centrais telefônicas das empresas, entre outras.

O deputado Joaquim Noronha (PP) afirmou que muitos consumidores não têm acesso ou conhecimento para fazer reclamações via internet e que é necessário que o atendimento presencial seja facilitado pelas empresas. O parlamentar pediu que, além da assinatura do Termo de Ajustamento de Conduta, as empresas também apresentem documentos demonstrando que estão em dia com o fisco estadual.

O deputado Walter Cavalcante (PMDB) também participou da audiência e pediu que as empresas ofereçam um atendimento mais humano ao consumidor.

A secretária executiva do Decon, Anna Celly Sampaio, confirmou o aumento das reclamações a cada ano e que as fiscalizações não são mais eficientes por falta de pessoal. Segundo ela, nenhuma central de atendimento telefônico das empresas funciona direito e muitas já foram multadas, mas não houve solução para a falta de qualidade no serviço. Entre os problemas mais comuns, a secretária executiva apontou a propaganda enganosa, a venda casada e a cobrança indevida.

O gerente geral da Anatel no CE, José Afonso Cosmo Júnior, explicou que o órgão recebe seis mil reclamações por mês e que todas as empresas têm falhas no cumprimento do regulamento de qualidade que a Anatel estabeleceu. José Afonso Cosmo Júnior informou que as empresas já foram multadas em cerca de R$ 20 bilhões, mas as companhias podem recorrer diversas vezes na justiça e adiar ou cancelar a excussão do pagamento.

A advogada da Claro, Embratel e Net, Letícia Nunes Cavalcante; o diretor de relações institucionais da Oi, Urbano Costa Lima; o diretor de assuntos institucionais da GVT e a gerente de atendimento da Multiplay, Giselle Fonteles ouviram as reclamações e ressaltaram que tem desenvolvido esforços para solucionar as demandas. Todos concordaram em participar de nova reunião para a elaboração do TAC.

Também estiveram presentes à audiência pública o representante do Procon AL, Bruno Feitosa; a advogada membro da Comissão de Defesa do Consumidor da OAB, Keiley Coelho.

Últimas Notícias

Campus de Cratéus debate revisão do...

Assembleias ocorrem nos dias...


Síndrome do Vice

Sobre carta que circulou na...