Maioria apoia propostas de Barack Obama sobre armas, diz pesquisa

Uma pesquisa divulgada pelo Instituto Gallup nesta quarta-feira (23) revelou que a maioria dos americanos apoia as 9 principais propostas do plano apresentado pelo presidente, Barack Obama, para reduzir a violência armada no país.
A pesquisa, com margem de erro de 4 pontos percentuais, foi realizada por telefone entre os dias 19 e 20 de janeiro e entrevistou 1.013 adultos que vivem nos 50 estados americanos e no Distrito de Columbia.
proposta com maior índice de aprovação, de 91%, foi a que prevê a consulta de antecedentes para todas as vendas de armas. Hoje, a checagem é regra, mas há exceções para feiras de armas, onde 40% das armas são adquiridas.
Já a medida que prevê sanções penais àqueles que compram armas para uma pessoa que não teve seus antecedentes aprovados conta com 75% de apoio.
A proposta que prevê a volta da proibição às armas de assalto, em vigor de 1994 até 2004, conta com 60% de aprovação. Entre as consultadas, a menos popular é a que limita a capacidade das armas vendidas em lojas a dez cartuchos (tiros), que conta com 54% de aprovação.
As outras políticas específicas que tiveram aprovação um pouco menor, embora ainda majoritária,  são o financiamento federal para 15 mil policiais de rua (70% a favor), o financiamento federal para auxiliar escolas a desenvolverem planos de emergência (69% de aprovação).
Pesquisa divide democratas e republicanos
A pesquisa também dividiu a resposta de acordo com o partido que cada entrevistado apoia. No geral, o índice de aprovação das propostas entre os democratas foi maior do que entre os republicanos.
Enquanto a maioria dos democratas apoiou todas as propostas, os entrevistados republicanosapoiaram sete das nove propostas –mas a maioria rejeitou as políticas ligadas à proibição da venda de armas de assalto e de armas com capacidade superior a dez tiros. 
Várias medidas apresentados por Obama no último dia 16 ainda dependem da aprovação do Congresso. Na mesma ocasião, o presidente assinou 23 decretos de controle. 
Entre as medidas que passam a valer sem a aprovação do Congresso estão novas regras para disponibilizar no sistema federal dados de antecedentes de compradores e a orientação a profissionais de saúde de que podem relatar às autoridades ameaças de violência de pacientes.

Últimas Notícias

Campus de Cratéus debate revisão do...

Assembleias ocorrem nos dias...


Síndrome do Vice

Sobre carta que circulou na...