Racismo em estádios é reflexo da sociedade

Os gritos de “macaco” direcionados por alguns torcedores a atletas no futebol europeu, fazem um enorme espelho do que temos hoje na sociedade. Aqui, reflete-se atitudes de uma sociedade que ainda não conseguiu superar a barreira do racismo. Explícito nas arquibancadas, tal comportamento, porém, não é exclusivo dos estádios de futebol na Europa, mas também aqui no Brasil.

Ulisses Lima

A análise é de estudiosos após episódios que marcaram a passagem de atletas africanos e brasileiros por times europeus. O racismo presente no esporte é o mesmo presente na sociedade, desde sempre. O europeu traz uma herança escravista muito forte. O que tem ocorrido mais recentemente é que esses atos têm sido levados a público com mais frequência.

O que devemos esperar é que os clubes tenham a obrigação de desenvolver projetos de combate ao racismo e colaborar para a identificação de fãs ou associados. Todavia, para além das punições, penso que é necessário uma ação coordenada e colaborativa. Esse tipo de esforço precisa envolver clubes, jogadores, árbitros, torcidas organizadas e mídia. Não é aceitável que no século 21 ainda haja pessoas que avaliem seus pares por causa da cor da pele.

Aqui no Brasil é preciso que exista um componente pedagógico. Uma lei determina que em todos os níveis escolares se estude a diversidade brasileira.

Ninguém nasce racista. Uma criança aprende vendo as atitudes dos pais, dos avós. Uma mudança só se dá através da educação dentro de casa e fortalecida nas escolas.

Últimas Notícias

Domingos Filho reúne base política em...

Saindo um pouco do que de...


Eleitos os melhores prefeitos do Ceará...

Escolhidos há pouco, em...


Governo do Estado anula Eleição da...

A eleição para escolha da...


SINDGUARDAS e Guarda Municipal de Boa...

Ontem segunda-feira, 11, o...