Direção do Hospital do Coração do Cariri anuncia suspensão de cirurgias por falta de pagamento do SUS

A direção do Hospital do Coração do Cariri (HCC) reuniu a imprensa, na manhã desta quinta-feira (21), para anunciar a suspensão das cirurgias eletivas que aguardam na fila. A partir desta data o hospital atenderá apenas casos de urgência e emergência. A decisão foi motivada por um débito do Sistema Único de Saúde (SUS) de mais de R$ 2,1 milhões com o hospital. O HCC, que é referencia em procedimentos cardíacos, tem 70% dos seus atendimentos voltados para pacientes SUS. Segundo demonstrativo, são cerca de 2.041 internamentos SUS, o que representa 87% da capacidade instalada.

No caso de procedimentos como cirurgias cardíacas, implante de marcapasso e angioplastia, o hospital tem um teto de R$ 276.421,24. Nestes casos, o excedente de produção já ultrapassa os R$ 809 mil, representando 105 procedimentos (prontuários). Somente o excedente com diárias coronarianas, já ultrapassa os R$ 308 mil. 

Existem, ainda, outros problemas como custos com dieta parenteral, com débitos orçados em R$ 300 mil, além de aquisição de órteses e próteses, que acumulam dívidas com fornecedores da ordem de R$ 662.392,99. No caso das órteses e próteses já existe a possibilidade de paralisação no fornecimento. Os dados são referentes, em sua maioria, aos anos de 2013 e 2014.

Sobre os atendimentos que excederam o teto estabelecido, foi informado que eles passaram por auditorias do Ministério da Saúde e todos os procedimentos foram identificados como necessários. O Governo Federal reconhece a necessidade de aumento do teto, através de portarias oficiais, mas até o momento não efetuou qualquer pagamentos referente à dívida pendente.

Segundo um dos diretores do HCC, Egberto Santos, responsável pela explanação, os serviços prestados a sociedade pelo hospital não paralisaram graças aos atendimentos particulares. O diretor reconhece a precariedade dos recursos, mas diz que não pode deixar de atender pacientes necessitados. “Na verdade, hoje administramos contas a pagar. Primeiro é garantido os salários dos profissionais que colaboram com o hospital e o restante e administrado como se pode”, disse Egberto, ressaltando que a falta de pagamento compromete, ainda, o melhoramento da estrutura física e de equipamentos.

Estiveram presentes a coletiva, os fundadores do hospital, João e José Correia Saraiva. Eles destacaram a importância social que o equipamento de saúde desempenha junto à população mais carente. O vereador de Juazeiro do Norte, Normando Sóracles (PSL), presente ao evento, sugeriu que fosse feito uma mobilização com as Câmaras Municipais da região para, conjuntamente, cobrar uma solução para o problema. “Temos que nos mobilizar para evitar o fechamento desse equipamento tão importante para a região”, disse Normando.

O vereador de Barbalha, Rildo Teles (PSL), falou da luta do parlamento barbalhense em prol da saúde no Município. Rildo destacou a viajem á Brasília, feita por uma comitiva composta de quatro parlamentares de Barbalha e um de Missão Velha. “Fomos atrás de recurso, mas em Brasília tudo gira em torno de promessas. Estamos esperando”, disse Rildo. 

Também presente a coletiva, o diretor do Sindicato dos Médicos do Ceará (Simec), Meton Soares de Alencar Filho, observou que está sendo solicitado um levantamento de todas as filas de espera de vários hospitais do Estado. Segundo Meton, o Simec quer saber a real situação para atuar em favor das instituições.

Sobre a possibilidade de recorrer à justiça para garantir o pagamento, a assessora jurídica do HCC, Marta Otoni, disse que já noticiou a situação ao Ministério Público Federal (MPF). A assessora diz não acreditar em resultados positivos pela via jurídica por se tratar de uma divida da fazenda pública que são submetidos a precatórios.

Na avaliação da assessora quando se trata de precatórios, os governos pagam como querem. “Entre a decisão e o recebimento dos valores, poderíamos esperar até 20 anos”, avaliou Marta Otoni, ressaltando que o MPF ficou de marcar uma Audiência Pública para discutir o assunto, mas até o momento nada foi definido. O Hospital do Coração do Cariri pertence à Fundação Otília Correia Saraiva e foi fundado em janeiro de 2001. 

Hoje o hospital atende a paciente de 44 Municípios do Cariri e outras regiões vizinhas. Tem uma demanda populacional, estimada mais de 1,5 milhão de habitantes.

Últimas Notícias

Projetos de Érika Amorim sobre...

Começaram a tramitar, nesta...


Em visita à nova ala do Leonardo Da...

O governador do Ceará,...


ICÓ: Profissionais da Saúde vão...

O tomógrafo computadorizado...